5 duras verdades da vida de imigrante

Quem emigra sabe que de início a maioria dos expatriados sente uma euforia ao morar fora do Brasil. É como um desafio conquistado, que merece uma boa dose de felicidade. Mas esse sentimento raramente fica, pois dificuldades sempre estarão presentes.

 

Para alguns, arriscar tudo numa mudança para o exterior significa uma melhor qualidade de vida. Para outros, o espírito de aventura bate mais forte no peito. Independentemente do motivo para considerar a vida fora do Brasil, existem muitas coisas a considerar além do visto e da burocracia. Eis algumas verdades que nem sempre serão fáceis de ouvir, mas que sem dúvida são importantes para saber.

 

1.  Começar de novo

Mudar de país é, literalmente, começar de novo. E quando digo começar de novo, é se sentir um pouco como criança, porque tudo é diferente e inesperado - principalmente se você ainda não conhece o idioma. Em alguns casos, você terá de voltar para escola para obter credenciais para abrir novas possibilidades de trabalho. Precisa-se conhecer as regras de como a burocracia funciona, como as pessoas se comportam, etc.

 

Existem muitas pessoas que entraram em contato comigo com o desejo de morar na Alemanha. É compreensível, visto que a Alemanha é a maior potência econômica da Europa. Entretanto, muitos subestimam a importância do idioma e de como as coisas funcionam por aqui. Por exemplo, na Alemanha precisa-se de certificado para quase tudo – até para ser manicure. Então antes de considerar deixar o seu país, avalie se de fato o seu país escolhido faz sentido para você.

 

2.  Seja realista sobre as suas chances de trabalho

São poucas as pessoas que conseguem ser transferidas para um outro país. A maioria dos mortais tem que fazer o esforço de pesquisa, de burocracia e da procura de trabalho por conta própria. E nesses casos, é importante ser realista quanto às suas chances.

 

Não quero ser pessimista, afinal existem muitos exemplos de brasileiros que suaram a camisa e conseguiram chegar ao topo como imigrantes. Mas ser um expatriado tem as suas desvantagens, e por isso para os meros mortais precisa-se fazer um esforço a mais para evoluir na carreira e no padrão de vida. É comum que imigrantes retrocedam em suas carreiras quando chegam no exterior. É preciso tempo, paciência e muito esforço mesmo.

 

3.  Isolamento e solidão são comuns

Sair do Brasil pode significar um tempo de solidão; principalmente no começo. Sem o apoio da família e, muitas vezes sem amigos ou contatos, o imigrante pode amargar uns bons meses sem muita interação social. 

 

Se o tal imigrante não falar o idioma, o problema se agrava. Em países com inverno rigoroso, o tempo fará com que as pessoas fiquem mais em casa, o que atrapalha um pouco em se enturmar. Só existe um remédio para esse problema: sair de casa e botar a cara no mundo. Mesmo que o seu idioma não esteja em perfeitas condições, é preciso comunicar-se e interagir.

 

Porque o isolamento ocorre com muitas pessoas nessa situação, é comum ouvirmos reclamações quanto à frieza do povo que nos acolhe. Não caia nessa armadilha. É normal reclamar, mas fato é que você tem que fazer o esforço em se aproximar das pessoas – e não os nativos. Não é ideal – mas infelizmente, é verdade.

 

4.  Tem certeza que viver no exterior é o que você realmente deseja?

 Viver no exterior pode ser maravilhoso - ou pode ser o seu maior pesadelo. Muitas vezes é uma questão de sabermos os nossos limites e desejos mais intrínsecos.  Antes de decidir mudar toda a sua vida e arrumar as malas, é importante despir-se das fantasias e considerar a realidade de uma vida longe do que você conhece. Por que você deseja sair do Brasil?

 

Muitas pessoas tomam essa decisão num impulso, sem grandes pesquisas e considerações. Infelizmente, esse processo é mais complicado do que tirar o visto. Não subestime os aspectos psicológicos da vida no exterior. Se é isso mesmo que você deseja, vá em frente! Se ainda não tem certeza, reflita, pesquise, analise, pergunte. Sair do país não é uma decisão fácil!

 

5. Seja humilde – e vivencie o que há de melhor em uma nova cultura

Ter a oportunidade de viver numa cultura diferente às vezes pode ser desconfortável, mas também é enriquecedor. Nessas experiências, nós podemos aprender coisas novas, conhecer pessoas maravilhosas, e muito mais. Para isso, precisamos dar um passo para trás e ter um tantinho de humildade para lidar com todas essas mudanças. Se nos achamos no alto de um pedestal, incapazes de adaptar-se a essa nova cultura, achando que tudo é ruim ou inferior ao nosso país de origem, é melhor nem pegar o avião.

 

Viver no exterior é ter a consiciência de que deixaremos uma parte nossa para trás, em busca de algo novo. Independentemente da idade que você deixa o país, mudar-se de lugar também significará uma mudança em você. Humildade é poder dar boas-vindas para mudanças sem que precise-se perder a sua essência no processo.

 


Gostou do artigo? Siga a Baiana da Baviera


Receba novidades por email. Inscreva-se: