Obra

Quantas vezes numa viagem nos permitimos ver a vida com outros olhos?

 

Em Ventos Nômades você encontrará dez contos que cruzam continentes, exploram o choque de culturas e novos horizontes além das fronteiras tupiniquins.

 

Você largará tudo em busca do sentido da vida com Guilherme até chegar ao mais antigo templo do sudeste asiático. Com uma americana à beira da morte, receberá um sopro de vida na ilha grega de Creta. E se embrenhará junto com dois amigos nos segredos judaicos de Praga.

 

Ventos Nômades é um convite a viajar pelo mundo!

 

Saiba mais!



Fique por dentro das novidades

Receba novidades por email



Blog

Últimos artigos

Reconquistando a língua portuguesa ao morar no exterior

Ainda me lembro do dia em que comecei a escrever o meu primeiro livro. Com algumas horas dedicadas ao ócio pela primeira vez após a maternidade, meu cérebro pedia alguma atividade que o tirasse do marasmo intelectual. Mal eu poderia imaginar como era difícil escrever na minha língua nativa, logo eu, que sempre tive tanta facilidade para escrever. Minutos passavam em frente ao computador tentando me lembrar de alguma palavra, que teimava em aparecer em alemão ou em inglês.

 

Mas em português? Que nada, minha língua nativa tinha desaparecido, resolveu não mais dar as caras!

 

 

 

 

Read More

Por que amores multiculturais não são tão românticos assim

Mais uma vez passamos o fim de ano com a família do meu marido, que é coreana e vive na Alemanha há quase cinquenta anos. Nesse tempo de reflexão, lembrei-me dos comentários de conhecidos (geralmente em relacionamentos “uniculturais”) que acham o máximo que uma brasileira/portuguesa tenha se casado com um coreano/alemão. É claro, essa combinação inusitada gera curiosidade nas pessoas.

 

Talvez romantizado pela literatura e pelo cinema, que exploram certos comportamentos exóticos como algo sedutor (mas também um empecilho para o romance), muitos acham que relacionar-se com um estrangeiro tem um quê mais romântico, misterioso, e quiçá, extraordinário.

 

Read More

Saudade: palavra única para um sentimento universal

Quem fala português gaba-se que a palavra saudade é única. É intraduzível, só nossa; nós nos convencemos. É quase como se tomássemos propriedade do sentimento saudade, o espírito por trás da palavra plenamente compreendido por nós, falantes da maravilhosa língua portuguesa. A teoria de que saudade é única popularizou-se quando a empresa britânica Today Translations promoveu uma listagem das palavras mais difíceis de traduzir adequadamente, com as opiniões de mil tradutores profissionais, onde saudade ficou o sétimo lugar.

 

Talvez a palavra em si seja difícil de ser traduzida, mas o sentimento que deu origem à palavra, não. Saudade existe em qualquer idioma, porque toda pessoa, independentemente de origem, cor ou religião, sente saudade de algo ou de alguém.

 

Read More

Mistérios em Munique: 5 Lugares Imperdíveis

Famosa devido à  Oktoberfest, Munique é muito mais que o festival da cerveja. Muitos marcos da cidade são conhecidos mundialmente, como a Marienplatz ou a história da cidade na Segunda Guerra Mundial. Essa cidade multi-facetada tem muitos tesouros escondidos que passam desapercebidos pelos  turistas.

 

Aqui eu reuni experiências e locais pouco conhecidos, muitas vezes estranhas, às vezes assustadoras, mas sempre valem a pena serem vistas em Munique, para procurar sua próxima viagem.

 

Ficou curioso(a)? Então confira cinco lugares imperdíveis na cidade.

 

 

Read More

Simplificando a vida em 2019

O último ano foi conturbado e, quando notei, o caos invadiu a minha casa. A minha vida também, porque a casa é um reflexo de si mesmo, de certa forma. Acumulei muitas coisas nesses últimos tempos, seja porque não mais serviam e eu não tive tempo ou coragem de jogar fora, seja porque nem notei.

 

 

Na tranquilidade de fim de ano, eu andava pela casa e só via coisas. Coisas, coisas, coisas. E olha que não sou daquelas pessoas que se apegam à coisas – pelo menos eu não me considerava assim. Me lembrei de minha mãe, que tem verdadeiro pavor de jogar qualquer coisa fora, porque nunca se sabe se um dia vai precisar de novo.

 

Read More